França: vocação rural com ambição tecnológica

O Institut National des Sciences Appliquées de Toulouse (INSA) e o Syndicat Mixte de l’Eau et de l’Assainissement de Haute-Garone (Réseau31) participam no projecto europeu CircRural 4.0 para demonstrar uma maior eficiência das estações de tratamento de águas residuais de origem rural, muito comuns no sul de França.

Menos consumo, menos emissões

“Vamos desenvolver um simulador que nos permitirá ter um novo instrumento para a eliminação do fósforo em estações de tratamento de águas residuais com menor consumo de energia e, sobretudo, com menos produtos químicos”, explicou Mathieu Sperandio, professor do INSA, à Efe.

Em sua opinião, é necessário melhorar o tratamento atual do nitrogênio e do fósforo nas estações de depuração da França; “temos cada vez mais ambição em reduzir o consumo de energia nesses processos e começamos a nos preocupar com a emissão de gases de efeito estufa”, assegurou.

Recuperação de recursos

O projecto CircRural4.0 faz parte do Programa Sudoe, que faz parte do objectivo de cooperação territorial europeia conhecido como “Interreg”, financiado através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

A iniciativa visa a conversão de pequenas e médias estações de tratamento de águas residuais (ETAR) situadas em zonas rurais em instalações de recuperação de recursos através do tratamento diferenciado de azoto, fósforo e matéria orgânica das lamas das ETAR para a produção de fertilizantes.

A França “é o país com maior consumo de fertilizantes na Europa e o nitrogênio e o fósforo são amplamente utilizados pelos agricultores”, explicou o professor do INSA. Por isso, “qualquer solução que permita reciclar esses elementos para a agricultura, em condições sanitárias adequadas, deve ser incentivada”.

Neste sentido, Sperandio tem defendido a busca de soluções simples e rústicas para pequenas plantas, bem como métodos de controle que são fáceis de colocar em operação e o mais barato possível.

Investir conhecimento

No sudoeste da França, “temos uma grande vocação rural, com cerca de 130 estações de tratamento em torno de Toulouse”, disse Yann Oudard, vice-diretor da Réseau31 , que destacou que essas instalações “exigem não só o investimento econômico, mas também o conhecimento para melhorar os processos.

“Podemos construir coisas muito ambiciosas, muito caras, em que o utilizador fica para trás e finalmente paga”, explicou, mas “o nosso objectivo é investir intelectualmente em instalações de média capacidade – em municípios com menos de 10.000 habitantes – para optimizar ao máximo o tratamento das suas águas residuais sem entrar em projectos excessivamente ambiciosos em termos económicos”.

Para Oudard, “temos os mesmos problemas que o resto dos nossos parceiros e estamos todos de acordo quanto aos meios a pôr em prática que são benéficos, especialmente para as regiões da Europa do Sudoeste (…) mas também temos obrigações, porque a directiva europeia obriga-nos a melhorar o tratamento e a qualidade da água”, sublinhou.

O projeto CircRural4.0

CircRural4.0, coordenado pelo Centro Tecnológico Ceit-IK4, envolve a Agência Efe, a Fundação Instituto Tecnológico da Galiza (ITG), o Centro Tecnológico Agroalimentario Extremadura CTAEX e o Consorcio de Servicios Medioambientales de la Provincia de Badajoz.

Os parceiros portugueses são a Universidade Nova de Lisboa e a Águas de Portugal, enquanto os franceses são o Institut National des Sciences Appliquées de Toulouse e o Syndicat Mixte de l’Eau et de l’Assainissement de Haute-Garonne.

%d bloggers like this: