Adubos feitos por medida a partir de resíduos agrícolas

O clima e o tipo de solo determinam o que, quando e onde semear, mas o desenvolvimento óptimo das culturas depende de nutrientes como o azoto e o fósforo, que estão presentes em grande medida nas lamas de depuração e que, convenientemente separados, permitem o desenvolvimento de fertilizantes “por medida”.

Isso é possível graças a uma tecnologia capaz de integrar os princípios fundamentais da economia circular e devolver à terra o que foi gerado na terra, como a forma mais “eficiente e razoável” de melhorar a vida das pessoas.

Garbiñe Manterola Agirrezabalaga é investigador no centro tecnológico Ceit-IK4, que, à cabeça do projecto europeu CircRural 4.0, prossegue a conversão de pequenas e médias estações de tratamento de águas residuais (ETAR) situadas em zonas rurais em instalações de recuperação de recursos.

Conheça a planta piloto aqui

Adubo de azoto e fósforo

O projeto propõe a manipulação diferenciada de nitrogênio, fósforo e matéria orgânica do lodo proveniente das estações de tratamento “para fabricar fórmulas específicas ou fertilizantes sob medida para cada tipo de cultura”.

O objetivo do projeto CircRural 4.0, que conta com pesquisadores de Espanha, França e Portugal e no qual participa a Agência Efe, é “recuperar fósforo e nitrogênio de águas residuais urbanas e áreas agrícolas para produzir fertilizantes e devolvê-los à terra de onde surgiram”, explicou Manterola.

O nitrogênio e o fósforo são dois dos principais nutrientes que as plantas precisam para crescer e geralmente são adicionados ao solo na forma de fertilizantes para as culturas.

Visite a galeria de fotos

Desidratar resíduos

Este projecto inclui também um processo de tratamento anaeróbico seco para tratar lamas de depuração com resíduos da indústria agro-alimentar, um processo que constitui uma grande vantagem para as instalações rurais, uma vez que os resíduos anteriormente desidratados são “mais fáceis de transportar e a custos mais baixos”.

Deste tratamento pode ser extraída a fracção líquida da lama tratada ou “digestato”, a partir da qual o fósforo e o azoto podem ser recuperados.

Por outro lado, a parte sólida “também pode ser utilizada como uma alteração orgânica” para melhorar as características químicas, físicas e biológicas dos solos.

Primeiros passos

Depois de um ano e meio de filmagens, a CircRural 4.0 enfrenta uma etapa crucial, com a entrada em operação da planta piloto, capaz de transformar cerca de 50 quilos de resíduos por dia e de ser replicada em escala em qualquer lugar do país.

“O interesse começa agora” para as administrações públicas -responsáveis pelos aspectos ambientais e obrigadas a procurar soluções para cada região a um custo acessível, para o sector agrícola -beneficiário das soluções fornecidas pelo projecto – e para a sociedade – destinatário final de uma melhor qualidade de vida, salientou Manterola.

Sobre a CircRural 4.0

A CircRural propõe uma “transformação radical” do tratamento das águas residuais nas zonas rurais, baseada na utilização eficiente dos recursos, para a qual as actuais estações de tratamento devem estar equipadas com tecnologias de controlo inteligentes e análise avançada de dados.

O projecto é financiado pelo Programa de Cooperação Territorial do Espaço Sudoeste Europeu (Sudoe), através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (Feder), destinado a iniciativas que contribuam para o crescimento e desenvolvimento sustentável deste espaço (Espanha, França, Portugal e Gibraltar).

Parceiros

Nove parceiros estão a trabalhar no projecto, dos quais quatro são centros tecnológicos espanhóis, dois portugueses e dois franceses.

Para além do Centro de Estudos e Investigações Técnicas de Guipúzcoa (Ceit-IK4), participam também a Fundação Instituto Tecnológico da Galiza (ITG), o Centro Tecnológico Agroalimentario de Extremadura CTAEX e o Consorcio de Servicios Medioambientales de la Provincia de Badajoz.

Além disso, há os parceiros portugueses – a Universidade Nova de Lisboa e as Águas de Portugal – e os parceiros franceses – o Institut National des Sciences Appliquées de Toulouse e o Syndicat Mixte de l’Eau et de l’Assainissement de Haute-Garonne -, bem como a EFEverde da Agência Efe, responsável pelas tarefas de comunicação.

O clima e o tipo de solo determinam o que, quando e onde semear, mas o desenvolvimento óptimo das culturas depende de nutrientes como o azoto e o fósforo, que estão presentes em grande medida nas lamas de depuração e que, convenientemente separados, permitem o desenvolvimento de fertilizantes “por medida”.

Isso é possível graças a uma tecnologia capaz de integrar os princípios fundamentais da economia circular e devolver à terra o que foi gerado na terra, como a forma mais “eficiente e razoável” de melhorar a vida das pessoas.

Garbiñe Manterola Agirrezabalaga é investigador no centro tecnológico Ceit-IK4, que, à cabeça do projecto europeu CircRural 4.0, prossegue a conversão de pequenas e médias estações de tratamento de águas residuais (ETAR) situadas em zonas rurais em instalações de recuperação de recursos.

Conheça a planta piloto aqui

Adubo de azoto e fósforo

O projeto propõe a manipulação diferenciada de nitrogênio, fósforo e matéria orgânica do lodo proveniente das estações de tratamento “para fabricar fórmulas específicas ou fertilizantes sob medida para cada tipo de cultura”.

O objetivo do projeto CircRural 4.0, que conta com pesquisadores de Espanha, França e Portugal e no qual participa a Agência Efe, é “recuperar fósforo e nitrogênio de águas residuais urbanas e áreas agrícolas para produzir fertilizantes e devolvê-los à terra de onde surgiram”, explicou Manterola.

O nitrogênio e o fósforo são dois dos principais nutrientes que as plantas precisam para crescer e geralmente são adicionados ao solo na forma de fertilizantes para as culturas.

Visite a galeria de fotos

Desidratar resíduos

Este projecto inclui também um processo de tratamento anaeróbico seco para tratar lamas de depuração com resíduos da indústria agro-alimentar, um processo que constitui uma grande vantagem para as instalações rurais, uma vez que os resíduos anteriormente desidratados são “mais fáceis de transportar e a custos mais baixos”.

Deste tratamento pode ser extraída a fracção líquida da lama tratada ou “digestato”, a partir da qual o fósforo e o azoto podem ser recuperados.

Por outro lado, a parte sólida “também pode ser utilizada como uma alteração orgânica” para melhorar as características químicas, físicas e biológicas dos solos.

Primeiros passos

Depois de um ano e meio de filmagens, a CircRural 4.0 enfrenta uma etapa crucial, com a entrada em operação da planta piloto, capaz de transformar cerca de 50 quilos de resíduos por dia e de ser replicada em escala em qualquer lugar do país.

“O interesse começa agora” para as administrações públicas -responsáveis pelos aspectos ambientais e obrigadas a procurar soluções para cada região a um custo acessível, para o sector agrícola -beneficiário das soluções fornecidas pelo projecto – e para a sociedade – destinatário final de uma melhor qualidade de vida, salientou Manterola.

Sobre a CircRural 4.0

A CircRural propõe uma “transformação radical” do tratamento das águas residuais nas zonas rurais, baseada na utilização eficiente dos recursos, para a qual as actuais estações de tratamento devem estar equipadas com tecnologias de controlo inteligentes e análise avançada de dados.

O projecto é financiado pelo Programa de Cooperação Territorial do Espaço Sudoeste Europeu (Sudoe), através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (Feder), destinado a iniciativas que contribuam para o crescimento e desenvolvimento sustentável deste espaço (Espanha, França, Portugal e Gibraltar).

Parceiros

Nove parceiros estão a trabalhar no projecto, dos quais quatro são centros tecnológicos espanhóis, dois portugueses e dois franceses.

Para além do Centro de Estudos e Investigações Técnicas de Guipúzcoa (Ceit-IK4), participam também a Fundação Instituto Tecnológico da Galiza (ITG), o Centro Tecnológico Agroalimentario de Extremadura CTAEX e o Consorcio de Servicios Medioambientales de la Provincia de Badajoz.

Além disso, há os parceiros portugueses – a Universidade Nova de Lisboa e as Águas de Portugal – e os parceiros franceses – o Institut National des Sciences Appliquées de Toulouse e o Syndicat Mixte de l’Eau et de l’Assainissement de Haute-Garonne -, bem como a EFEverde da Agência Efe, responsável pelas tarefas de comunicação.

%d bloggers like this: